5.12.08

INTEMPORALIDADES

Quando leres esta carta
os meus dedos não estarão cá,
andarão perdidos entre dois parágrafos.

Só letras brancas e ocas caiarão desta boca
porque falar sobre ser mulher em dez minutos
ou quinze
é a mesma coisa que lhe proibir o nascer ou
é fazê-la nascer só com uns centímetros
de carne na língua.

É o mesmo que dizer à flor
[cresce agora ou morres!

Por isso não me peças para falar
de como é ser mulher em dez ou quinze minutos
quando, na verdade, nesse tempo nem dá para construir
um sonho de uma hora ou
tempo de encontrares meus dedos no final da carta.

©Ana Maria Costa — Inédito.
देज़म्ब्रो 2008

8 comentários:

SAM disse...

Sem dúvida um dos melhores textos que já li. Obrigada pela maravilhosa partilha!


Grande beijo

Mulher na Janela disse...

como explicar essa indecifrável fração de ser que somos nós, menina?!
não, não macules o nosso direito ao mistério...
que bom que o seu poema nos chegou tão lindo, como sempre, como a mulher que és...

beijos...

Iara

jose ilidio torres disse...

gostei muito pode ser pouco.

Bill Stein Husenbar disse...

Nesta época natalicia, desejo um Feliz Natal recheado de momentos bons e inesqueciveis na companhia dos que mais ama. Que a alegria e a esperança se espalhe e se concretizem no coração de cada um de nós.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Amaral disse...

Os instantes intemporais vão sempre mais além... desdobram-se noutros instantes, tornando-os distantes...
Dizer o que é ser mulher é algo que muitos sonhos não serão capazes de desvendar...
Mas, tal como a flor, deslumbra-nos contemplar o seu crescimento...

Grupo Casarão de Poesia disse...

essa carta é um lindo jeito de ser eterno!

abraços poéticos...

J.R. Lima disse...

As palavras podem expressar tudo, menos o que importa de verdade.

Lindo texto!
Obrigado por compartilhar.

Um abraço!!

gdec disse...

Sim, gostei muito : um poema adulto.
Geraldes de Carvalho

Minho actual tv