8.8.07

Jorge Casimiro e Ana Mª Costa

quadro de

Antônio Hélio Cabral


o vento no rosto


o vazio na alma

vem o tempo
vai o tempo
vem o dia
cai a noite
vem agosto
vai agosto

e no calor cíclico da espera
sopra-me este vazio na alma
pernoita-me este vento no rosto



jorge casimiro (agosto)

O aro do silêncio

alastra dentro da pele

segue a dor, dobra o corpo

e fecha nos olhos a rotação.

Ana Mª Costa

4 comentários:

aurellio disse...

lindo...poeticamente lindo..no fim tudo se vai mesmo...temos que tentar seguir em frente..assim como o vento...até mais.

Rui Luís Lima disse...

olá ana maria costa!
é um prazer passar por aqui e escutar o silêncio das palavras que navegam no poema.
beijinhos
paula e rui lima

João Cordeiro disse...

Lindissimas palavras...
Sem saber e vindo nas asas de um sonho, aqui pousei… e gostei da beleza que encontrei.

Bosco Sobreira disse...

Minha querida Poeta,
Retorno depois de um período adoentado. Acabo de ler as últimas postagens. Me faz bem te ler. me aquieta a alma, alimenta as emoções.
Obrigado!
Um beijo afetuoso.

Minho actual tv