22.6.07

João Parreira

ARABESCOS DO VENTO

Eu gosto do que estás a tentar fazer-
isto é

algum esboço longe de
estar terminado, digo eu.

O salgueiro fica pálido
a cada toque

eu estou sentado a observar-te
tomas as folhas

como se teus dedos
andassem pelo chão.
J.T.Parreira
Foto de Tino Costa sombras grupo de Ballet "Balletrix"

5 comentários:

J.T.Parreira disse...

Ana Maria, silenciosa e secretamente venho visitar-te algumas vezes durante a semana. Continuas a elevar-te na tua poesia e nas realizações que promoves.
Obrigado pela visita e pela publicação deste pequeno poema.
Um beijo fraterno,
João

jorge vicente disse...

obrigado, ana, por teres divulgado este magnífico poeta

um beijinho azul
jorge

AF disse...

também gostei. bom fim-de-semana.

Carlos Luanda disse...

Acho este poema duma beleza e sensibilidade indiscritíveis. Muitos parabéns, João. E à Ana devo dizer, ( não para se envaidecer), que raramente tive o previlégio de conhecer pessoas com a sua garra e talento. Ela é realmente uma pessoa extraordinária.
Um beijinho Ana, e vamos sempre em frente. The sky is the limit, and who knows, there may be even no limit at all.

Charlie
:)

Lord of Erewhon disse...

«O salgueiro fica pálido
a cada toque»

Bonito.

Minho actual tv