15.2.07

Contagem

Morta.
Pó a pó a terra
conta-me na eternidade

ana maria costa

02 de fevereiro de 2007


4 comentários:

Francisco Sobreira disse...

Ana.
Agradecendo sua visita à minha casota, vejo que a sua passou por uma "reforma", com ilusrações de poemas, poemas curtinhos, mas que fazem bom efeito. Abraço.

Anónimo disse...

Vc tem o mesmo nome de minha mãe,sinto cheiro de vida em teus poemas.Sou Pat,uma gaúcha,que sempre entra na sala dos poetas(terra)com o nick de "anil".Faço versos e verbos .Pesquiso e mergulho em todos blogspot de poesias.Vivo de pontes de afinidades.Um abraço.

Bosco Sobreira disse...

Minha Bela Poeta,
Poema é poema, beleza é beleza. E você sabe cuidar deles muito bem.
Muito bem!
Beijos, minha querida Ana.

Alves Bento Belisário disse...

...pequenino mas do tamanho do mundo...

elegia da morte à porta do poema...

Parabéns

Minho actual tv