27.6.10

Sem título I


Imagem daqui: http://www.1000imagens.com/foto.asp?idautor=61&idfoto=4&t=&g=&p=7


Um dia, um belo dia, canso uma bela frase ao por do sol



entre uma linha e uma esperança — a certeza que borboletas nas flores são mães longe da memória.






Ana Maria Costa


17.06.2010

3 comentários:

jorge vicente disse...

mães longe da memória!

LINDO!!!

beijinhos lindos
jorge

Pedra do Sertão disse...

Oi, Ana,

Toda vez que vejo um texto que remete às borboletas, lembro-me de Manoel de Barros, veja como é lindo, tanto quanto o seu!

A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como
sou - eu não aceito.
Não agüento ser apenas um
sujeito que abre
portas, que puxa válvulas,
que olha o relógio, que
compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora,
que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.
Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem
usando borboletas.

douglas D. disse...

Ana,
bela poesia.

Minho actual tv