27.5.08

Filho Iara



Um dia que me acabe o papel para escrever Poesia

arranjo uma pedra e mais outra e outra. Pico nelas

causo barulho e ritmo num desenho.


E se não houver pedras, escrevo no chão

como se faz na praia, com o dedo fora do mar

depois da onda virar a página.
Com carinho para o filho da Iara minha irmã das águas.
Ana Maria Costa
26.05.2008

3 comentários:

Amaral disse...

Belo, como não podia deixar de ser, vindo de quem vem!

Obrigado, amigos todos, pelas palavras que me deixaram naquela centena de visitas.
Bem-hajam! Vamos dar as mãos... e sorrir à Vida!

Mulher na Janela disse...

querida Ana! que delicadeza, que lindeza, minha irmã-amiga...
meu Iaguinho é fofo mesmo e os seus versos tornaram ainda mais linda a sua imagem...

parabéns pelos seus dois filhos-livro!

um grande beijo e saudades....

Iara

Anónimo disse...

lindissimo
venha participar em www.luso-poemas.net

Minho actual tv